1 de setembro de 2009

Casal é tudo igual...

Ele: - Alô?
Ela: - Pronto.

Ele: - Voz estranha... Gripada?
Ela: - Faringite.

Ele: - Deve ser o sereno. No mínimo tá saindo todas as noites pra badalar .
Ela: - E se estivesse? Algum problema?

Ele: - Não, imagina! Agora, você é uma mulher livre.
Ela: - E você? Sua voz também está diferente. Faringite?

Ele: - Constipado.
Ela: - Constipado? Você nunca usou esta palavra na vida...

Ele: - A gente aprende.
Ela: - Tá vendo? A separação serviu para alguma coisa.

Ele: - Viver sozinho é bom. A gente cresce.
Ela: - Você sempre viveu sozinho. Até quando casado só fez o que quis.

Ele: - Maldade sua, pois deixei de lado várias coisas quando a gente se casou.
Ela: - Evidente! Só faltava você continuar rebolando nas discotecas com as amigas.

Ele: - Já você não abriu mão de nada. Não deixou de ver novela, passear no shopping, comprar jóias, conversar o telefone com as amigas durante horas...... (Silêncio)
Ela: - Comprar jóias? De onde você tirou essa idéia? A única coisa que comprei em quinze anos de casamento foi um par de brincos.

Ele: - Quinze anos? Pensei que fosse bem menos.
Ela: - A memória dos homens é um caso de polícia!

Ele: - Mas conversar com as amigas no telefone...
Ela: - Solidão, meu caro, cansaço... Trabalhar fora, cuidar das crianças e ainda preparar o jantar para o HERÓI que chega à noite... Convenhamos, não chega a ser uma roda-gigante de emoções...

Ele: - Você nunca reclamou disso.
Ela: - E você me perguntou alguma vez?

Ele: - Lá vem você de novo... As poucas coisas que eu achava que estavam certas... Isso também era errado!?
Ela - Evidente, a gente não conversava nunca...

Ele: - Faltou diálogo, é isso? Na hora, ninguém fala nada. Aparece um impasse e as mulheres não reclamam. Depois, dizem que faltou diálogo. As mulheres são de Marte.
Ela: - E vocês são de Saturno! Silêncio...

Ele: - E aí, como vai a vida?
Ela: - Nunca estive tão bem. Livre para pensar,ninguém pra me dizer o que devo fazer...

Ele: - E isso é bom?
Ela: - Pense o que quiser, mas quinze anos de jornada são de enlouquecer qualquer uma.

Ele: - Eu nunca fui autoritário!
Ela: - Também nunca foi compreensivo!

Ele: - Jamais dei a entender que era perfeito. Tenho minhas limitações como qualquer mortal..
Ela: - Limitado e omisso como qualquer mortal.

Ele: - Você nunca foi irônica.
Ela: - Isso a gente aprende também..

Ele: - Eu sempre te apoiei.
Ela: - Lógico. Se não me engano foi no segundo mês de Casamento que você lavou a única louça da tua vida. Um apoio inestimável... Sinceramente, eu não sei o que faria sem você? Ou você acha que fazer vinte caipirinhas numa tarde para um bando de marmanjos que assistem ao jogo da Copa do Mundo era realmente o meu grande objetivo na vida?

Ele: - Do que você está falando?
Ela: - Ah, não lembra?

Ele: - Ana, eu detesto futebol.
Ela: - Ana!? Esqueceu meu nome também? Ciro,você ficou louco?

Ele: - Ciro? Meu nome é Ronaldo! ....(Silêncio...)
Ele: - De onde está falando?


Ela: - 578 9922
Ele: - Não é o 579 9222?

Ela: - Não.
Ele: - Ah, desculpe, foi engano.
Luiz Fernando Veríssimo

3 comentários:

Lohan disse...

kk, muito bom!

Fernando ... Ñunes disse...

Adoro LFV, jah leu um texto dele de umas crianças que estão fazendo uma peça de teatro? ahuhauhuah mto bom, tah no livro "o nariz" que tinha lah no colégio..

Aninha disse...

Homens e mulheres no fim. sao todos igauis !

Postar um comentário