16 de dezembro de 2009

Minha alma por um país escandinavo chato e aborrecido

Nada de pressa. Nada de urgência. Sejamos pacientes, não vamos nos precipitar! Sim, eu tive toda essa sensação de calmaria nesta semana depois que vi esse letreiro pregado na porta de uma loja:

Aberto a maior parte dos dias a partir das 9:00h ou das 10:00h, ocasionalmente a partir das 07:00h, mas alguns dias a partir do meio-dia ou das 13:00h. Fechamos por volta das 16:00h ou 17:00h, mas às vezes 23:00h ou meia-noite. Alguns dias nem sequer abrimos e, ultimamente, tenho estado aqui quase sempre, a não ser quando estou do outro lado.

Isso foi no sábado.
Na segunda-feira, sei lá porque, sonhei com uma oferta do diabo que me propôs: “Acabamos com a corrupção, destruímos os juros altos, não haverá mais inundações em São Paulo, vamos acabar com os mensaleiros, ninguém mais vai por dinheiro na meia. Mas você teria que me dar sua alma."
Bah, para dar minha alma bem que eu poderia pedir algo mais.  Eu poderia pedir alguma coisa que desse mais alegria a todos nós. Mas pedir o quê, por exemplo? Poderíamos pedir que o Brasil se tornasse um país escandinavo* sem bandido pondo fogo em ônibus, sem injustiça, sem exames fraudulentos do ENEM, sem gente falsificando remédios, sem crianças mortas por balas perdidas e com o povo bebendo da água do Tietê(!) limpa e saudável. Era isso! Minha alma por um país escandinavo*chato e aborrecido.
Recebi como resposta uma pergunta:
- Tem certeza de que é isso que quer em troca de sua alma?
Eu deveria saber que a adaptação seria difícil, a conversão da moeda, da língua, o frio... E que seria impossível preservar tudo aquilo que nos faz simpático de criativos e de divertidos... Enfim, brasileiros, no bom sentido. Sem bagunças, sem selvagens em estádios de futebol e claro, sem os escândalos dos políticos que se repetem como canções nos rádios.
- É, respondi. Chega dessa irresponsabilidade tropical, dessa impunidade nojenta, desse eterno adiamento de tudo, faça-nos escandinavos* já!
E o diabo pergunta:
- Tem certeza? Você quer já?
E eu respondi:
- Er, bem... Deixa pra depois do carnaval...

*Os países da Escandinávia têm uma clara política de transparência governamental. São formados por Suécia, Finlândia e a Noruega. Contudo, como é "cortado" ao meio pelo Círculo Polar Ártico, no inverno faz -30º fácil, fácil... Bora pra lá!

13 de dezembro de 2009

Tem político ofendido ao ser chamado de incorruptível...

A corrupção anda tão generalizada que tem político ofendido ao ser chamado de incorruptível. Vá lá, digamos que concordo com isso.
Por que a corrupção não dá cadeia no Brasil? Ora, ora, ora... De hora em hora Deus melhora, e “vamo simbora” porque acabar com a corrupção é objetivo supremo de quem ainda não chegou ao poder e está de fora, mas esperando pela sua hora. Meus tempos são de banquete da impunidade; é só escolher entre o panetone e a pizza. Soube até que Papai Noel está indignado com o uso do seu pão doce preferido como desculpa nauseante. Não se conhece o reflexo desse episódio sobre as vendas de panetone este ano, o fato é que o folclore político, sobretudo do capítulo de “Delícias e Guloseimas do Poder”, o panetone assumiu o posto de prato principal, substituindo a velha pizza onde tudo terminava. Hum, tudo o que digo são os escândalos e rigorosos inquéritos abertos para apurar a interminável sequência de casos notórios de corrupção em todos os níveis da administração; depois da pizza, panetone! E tudo indica que o mensalão do governador vai acabar em panetone com muita fruta cristalizada. AH, eu disse fruta? Perdoem-me. Quis dizer truta. Alguém já viu algum corrupto atrás das grades devorando um panetone? Então sente e espere. O que esse tipo de político merece que o Papai Noel deixe em suas meias na noite de 24 de dezembro? Ah, são tantas sugestões...

7 de dezembro de 2009

Brasília, nossa capital, cai de podre.

           Brasilia cai de podre. É, realmente nunca se viu nada parecido. Um escândalo que não se resolve com impeachment do governador.
           Pois é Arruda,agora  você tem chances de comer o panetone que o diabo amassou. E logo senti um nojo dessa imensa trouxa de roupa suja que não conseguiram lavar em casa. A TV mostrou um monte
de imundices, sem que tivessem tempo de, os pais, tirarem as crianças da sala. Políticos enfiavam dinheiro nas cuecas, nas meias e o fedor passava através do vídeo, onde esses tristes personagens faziam uma montanha de meias e cuecas emporcalhadas, panos gordurosos, toalhas emboloradas, trapos , panos de chão sujos, lençóis com manchas suspeitas... e ninguém é preso, ninguém se demite,  ninguém sente vergonha. A culpa sempre é da herança maldita, todos flagrados e filmados falando sobre a necessidade de unificar a forma de pagamento de propinas a deputados e secretários de estado, enfim dessa catinga, dessa merdice que jamais ofendeu o nariz humano dali, dessa gosma fétida, amarela, da cor da nossa bandeira.
           Enfim, nasce a necessidade da não-renúncia a fim de não ser preso e tentar a reeleição, porque o povo não tem memória e sabe que a política é a mais antiga das profissões. Portanto se, nos destaques dos telejornais, o âncoras alertarem sobre uma matéria com deputados da nossa Casa, por favor, tirem as crianças da sala!